Entenda um pouco sobre o Viagra®

História do Viagra® (Citrato de Sildenafila), como surgiu?




Viagra é o nome comercial de uma substância chamada Citrato de Sildenafila, que surgiu por acaso em 1994. Inicialmente o medicamento foi criado para tratar de um problema no coração, como vasodilatador coronariano, porém perceberam que para essa função a droga era muito fraca, existindo medicamentos mais eficientes no mercado. Então os profissionais ao estudar uma nova formula para a medicação analisaram os efeitos colaterais do mesmo, e ao fazer as pesquisa com os usuários do Viagra (Sildenafila) notaram que os homens que utilizaram o remédio estavam com um grau de disfunção erétil, e os mesmos relataram que tiveram melhora na performance sexual.


Os pesquisadores acharam interessante este fato, eles decidiram aprofundar os estudos para ver se o medicamento realmente teria alguma efetividade na disfunção erétil. Descobrindo então que o remédio tinha uma excelente eficiência para tratar Cubebina. Com isso o laboratório Pfizer na época acabou faturando muito, e logo após a descoberta, esse remédio abriu as portar para muitos outros na mesma linha com princípios um pouco divergentes porém com as mesmas indicações e contraindicações


Como funciona o medicamento?

Viagra® atua favorecendo o relaxamento da musculatura lisa dos corpos cavernosos (principal estrutura erétil do pênis) e a dilatação das artérias que levam o sangue até eles, facilitando a entrada de sangue no pênis e consequentemente, favorecendo a ereção. Para que Viagra® seja eficaz, é necessário estímulo sexual.

O Viagra® tem efeito após uma média de uma hora depois de ingerido e este se perpetua durante quatro a cinco horas dependendo do indivíduo. Viagra é um excelente medicamento, muito seguro e possui uma eficácia comprovada.


Quando não devo fazer o uso do Viagra®?




O medicamento Viagra® possui em sua fórmula algumas contraindicações, como por exemplo quando o indivíduo não pode fazer esforço físico, neste caso, o uso do Sildenafila não é indicado, pois ao praticar uma atividade sexual o mesmo estará se dispondo a esforço físico, correndo o risco de enfartar.


O Viagra também não é indicado para o sujeito que já está fazendo uso do vasodilatador coronariano, se expondo assim ao risco de hipotensão severa.

Essas são as duas principais contraindições, porém muitas pessoas sentem medo de fazer uso do medicamento por achar que faz mal para o coração que o usuário vai enfartar. Fugindo desse ponto de vista foram feitos pesquisas com homens que morreram de qualquer causa depois dos cinquenta anos de idade e observaram que o grupo que fazia uso do viagra a incidência de morte foi proporcionalmente menor, ficando claro que o remédio em si não faz mal excluindo claro as duas contraindicações citadas a cima.


Quais os Efeitos colaterais do uso do Viagra®?

  • Reação Muito Comum (ocorre em mais de 10% dos pacientes que utilizam este medicamento): cefaleia (dor de cabeça).

  • Reação Comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento): tontura, visão embaçada, distúrbios visuais, cianopsia (ver coloração azul em todos os objetos), ondas de calor, rubor (vermelhidão), congestão nasal, náusea (enjôo), dispepsia (má digestão).

  • Reação Incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento): rinite (inflamação da mucosa nasal), hipersensibilidade (reação alérgica), sonolência, dor no olho, fotofobia (intolerância a luz), fotopsia (sensação de ver luzes ou cores cintilantes), cromatopsia (objetos são percebidos em cores diferentes da original), hiperemia ocular (olhos avermelhados), ofuscamento visual, taquicardia (aceleração dos batimentos cardíacos), palpitação, hipotensão (pressão baixa), epistaxe (sangramento nasal), congestão dos seios nasais, doença do refluxo gastroesofágico (quando o conteúdo do estômago volta para o esôfago), vômito, dor no abdômen superior, boca seca, rash cutâneo (erupção cutânea), mialgia (dor muscular), dor nas extremidades, sensação de calor e aumento da frequência cardíaca.

  • Reação Rara (ocorre entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento): Convulsão (ataque epiléptico), convulsão recorrente, síncope (desmaio), edema no olho, inchaço no olho, olhos secos, astenopia (cansaço visual), visão de halo (aro brilhante em volta de luzes brilhantes), xantopsia (ver cor amarela em todos os objetos), eritropsia (ver cor vermelha em todos os objetos), distúrbio dos olhos, hiperemia da conjuntiva (parte branca do olho avermelhada), irritação dos olhos, sensação anormal dos olhos, edema na pálpebra (inchaço da pálpebra), fechamento ou aperto na garganta, secura nasal (nariz seco), edema nasal (inchaço do nariz), hipoestesia oral (diminuição da sensibilidade da boca), priapismo (ereção persistente e dolorosa do pênis), aumento da ereção e irritabilidade.

Dessa forma, como todo medicamento ele deve ter todo um acompanhamento médico e a sua solicitação para que o paciente não venha a ter complicações com o uso, busque sempre uma ajuda médica para que caso necessário seja feita uma avaliação cardiovascular antes do uso do Viagra®.


Dr. Humberto Montoro

Instituto de Urologia de Maceió

(82) 3241 - 3000



73 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo